quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Amadorismo...

Por que será que as pessoas acham que dá para fazer as coisas sem estudar? Antes eu achava que dava, mas depois de observar os grandes notei, o óbvio, que todos estudaram muito (não precisa ser um estudo acadêmico, mas precisa ser um estudo com um grande profissional).
Como que uma pessoa que se diz cantor e não conhece notas musicais, escala, divisão rítmica, dentre outros aspectos básicos, pode ser chamada de vocalista?
Como é que um guitarrista que não estudou teoria (Compasso, ritmo, divisão, etc.) e toca só de instinto, pode ser considerado músico?
Conheço bateristas que desconhecem conceitos simples como contra-tempo!
Parece óbvio que quem queira fazer algo com uma certa qualidade precise de uma coisa chamada "CONHECIMENTO", e conhecimento se adquire estudando com um professor qualificado, e isso tem um custo. Gastar dinheiro com conhecimento não é gastar, é investir em si mesmo. É tão óbvio que chega ser ridículo mencionar.
Hoje um cara trabalha por três meses de servente de pedreiro e já sai falando que é pedreiro. Lastimável!
Tem os caras que fugiram da escola e acham que sabem mais que os engenheiros da Ford e vão lá e cortam as molas para rebaixar seus carros.
O mais doido e doído é que todo mundo acha normal, legal!
O resultado disso é visível em tudo o que vemos por aqui: praticamente todos os serviços e produtos possuem uma qualidade sofrível.
Caia na besteira de criticar o trabalho de alguém para ver o que acontece. Esse povo, em geral, não aceita críticas. Eles defenderão sua mediocridade com unhas e dentes. Parece que todo mundo só quer saber de ganhar sua grana, e dane-se a qualidade.
O mais curioso é que quem aceita críticas é quem normalmente produz com mais qualidade.
E pra piorar ainda mais é notável que as pessoas já se acostumaram com um padrão sofrível de qualidade e não mais percebem e não têm as mínimas condições de discernir o que é bom do que é ruim. É como disse o excelente luthier Celso Freire: "No Brasil, de um a dez, acima de cinco tudo é dez". Enfim, qualquer merda aqui é tida como foda e vira referência.

Resumindo a ópera; estamos num lamaçal de ignorância gigante, tão gigante, que não mais vemos as margens.

Obs.: Antes de citarem as exceções da regra, lembrem-se que exceções não fazem a norma, são exceções.

Nenhum comentário:

Postar um comentário