segunda-feira, 5 de maio de 2014

Escolhas...

"O que causa a angústia no homem são as escolhas que ele não faz, pois se estamos em um caminho tendemos a olhar para aquele cujo qual não estamos, e nele ver a felicidade plena, como se lá no outro caminho não existissem frustrações, mas a felicidade plena não existe, nem lá nem aqui".

A revolução silenciosa.

A TV está cara?
O carro 1.0 0Km está caro?
Tênis é caro?
Roupas são caras?
Pedágio está caro?

O povo brasileiro até ameaçou fazer uma revolta, mas não foi, pois quem está no poder têm condições de usar armas para se defender.
O jeito seria entrar em confronto armado contra eles? Talvez não, existe uma outra forma mais interessante e inteligente, penso.

Com exceção de comidas e remédios e serviços essenciais como água e energia elétrica, que tal todo mundo ficar 3 meses sem comprar nadinha, nadinha mesmo?!
O que será que aconteceria se as lojas simplesmente deixassem de vender por 3 meses? Será que além do desemprego, os grandes empresários não pressionariam o governo a baixar de verdade os impostos? Será que os produtos finalmente não começariam a ter mais qualidade?
Se todo mundo que vai a praia no final de semana prolongado, resolver passar no pedágio sem pagar, os preços não cairiam, ou todos os 20.000 carros por hora seriam presos?

Será que se todo mundo ficar 3 meses sem beber cerveja e refrigerantes, os preços não cairiam.
E se todo mundo fosse a pé e de bicicleta, os preços dos combustíveis e do transporte público não abaixaria?

Seria uma revolta silenciosa e inteligente e forçaria quem tem grana (os empresários) a ir brigar com os políticos...

Mas, depois de ver o frenesi onde milhares de otários caíram no conto da black friday, depois de ver todo sábado de manhã milhares de pessoas zanzando aqui pelo centro cheios de sacolas com futilidades consumistas, a galera entulhando o centro de Pirassununga com mais carros do que gente, tenho certeza absoluta de que nada, nadinha vai mudar por um bom tempo!

Desconstrução.



"As vezes as pessoas falam que acreditam porque sentem em seus corações, mas um esquizofrênico também está tendo uma visão real de sua alucinação, então será que sentimentos valem como prova de algo?"


"Cuidado quando tentar abrir os olhos de outrem, pois quem pode estar de olhos fechados pode ser você."

Prisão sem muros.

"Tudo o que eu peço é saúde e a capacidade de continuar a conseguir mudar de idéia.
A pior coisa que pode acontecer a um ser humano é a incapacidade de mudar suas crenças. Quem fica preso a uma única forma de pensar é certamente infeliz pois vive na pior das prisões".

Nem tão óbvio assim...

A coisa mais difícil de perceber é justamente a mais óbvia.
Quando aprendemos a enxergar o que está na nossa frente paramos de sonhar apenas com o que está adiante, afinal só se chega longe depois de aprender o básico (e óbvio) primeiro. Não há como pular etapas.
Normalmente não damos bola ao que nos parece óbvio, porém se trabalharmos nisto primeiro, só a partir daí a coisa fluirá.

Let it flow.

"Saber ouvir, de peito aberto, sem ficar se desculpando ou apontando, apenas ouvir a crítica. Aí se encontra o caminho para o crescimento pessoal.
O ego agoniza ao admitir a própria falha, e por isto ele (o ego) lutará com todas as forças para encontrar um outro culpado, mas se você consegue lidar com este desconforto e ouve e tenta digerir a crítica, tudo ficará bem, e o melhor: Você crescerá e não será uma pessoa rancorosa".

"Conselho para mim mesmo".

É importante sonhar, é mais importante ainda trabalhar pesado para ter a base sólida para concretizar o sonho, e mais que tudo, importantíssimo estar aberto ao que o universo possa te mandar, pois nem sempre o seu sonho se tornará real da forma como você imaginou, por isto, fique relaxado, mantenha a mente aberta e fique atento.
As oportunidades são como camaleões.

"Conselho para mim mesmo".

Um problema comum do brasileiro.

O brasileiro em geral não sabe ouvir críticas.
Criticar alguém é o mesmo que ofender, quando alguém te pergunta: - O que você achou do que eu fiz?
Pode ser a banda do seu amigo, pode ser o quadro, ou o muro que alguém fez, só temos a opção de elogiar, criticar, mesmo que construtivamente está fora de cogitação.
Por conta disto, temos um número cada vez maior de péssimos profissionais em todas as áreas, afinal, aqui no Brasil temos desculpa para tudo.
Se você critica o trabalho alheio será retaliado, mesmo que suas críticas tenham todo o embasamento técnico. Vivemos uma época cheia de cegueira e surdez.

Um efeito colateral que ilustra, e bem, a falta de capacidade do brasileiro para ouvir críticas é quando um bandido, principalmente se for menor, comete um crime.
Esta pessoa, que transgrediu a lei, não será punida nem responsabilizada por sua ação, haverá muitos argumentos como: Ah, o pobrezinho é vítima do sistema.
Ou ainda: Poxa, o menino veio de uma favela e não tinha opções, por isto ele roubou e matou friamente um civil, ele não tem culpa.

Quer dizer, não é possível criticar e falar a verdade sobre o ato pois já serão apontadas mil desculpas.

Um outro exemplo: Certa vez ouvi alguém dizer que tal pessoa toca bem porque tem grana! Quer dizer que ter dinheiro possibilita alguém fazer algo bem???????
Caramba, não seria mais fácil entender que o cara toca bem porque estudou? E o pior, admitir que se você não está tocando bem, não é por causa de fatores externos, assuma a verdade: Você não trabalhou o suficiente para ficar bom. É mais legal da sua parte do que dar esta desculpa medíocre.
É obvio que o dinheiro ajudou o cara a ter bom equipamento e a pagar aulas, mas quem realmente quer vai atrás.

Ninguém aceita críticas, e ninguém critica por medo de retaliação. A responsabilidade é jogada de colo em colo até cair no chão ficando sem dona.

Como ninguém aceita ser criticado e ninguém critica, praticamente tudo aqui no Brasil é sem qualidade, infelizmente.

Ah, claro que isto não se aplica a 100% dos brasileiros, talvez a 90% deles.

Abraços

Brasil, il!

Existem muitas coisas a serem melhoradas no Brasil, a cultura de jogar a responsabilidade no outro é a primeira a ser corrigida, em minha opinião.
Hoje ninguém é mais responsável por seus atos:

O bandido que rouba é vítima da sociedade, a responsabilidade não é do infrator (porém todos têm o livre arbítrio de trabalhar, seja no que for, todo trabalho é digno).
Alunos não tiram nota baixa, é o professor quem "dá de presente" a nota baixa ao aluno (Como se a nota não fosse o resultado do próprio esforço).
Estaciona-se em vagas para deficientes pois não há vagas suficientes (Como se não fosse possível estacionar um pouco mais longe e usar as próprias pernas).
A culpa por um monte de coisas é do governo (como se ninguém sonegasse, ou atravessasse o sinal vermelho de vez em quando).
O público não agita nos shows porque é frio (como se todas as bandas fossem extremamente boas).
Basta acontecer algo, que instintivamente começamos a procurar um culpado.
Hoje, ser coitado no Brasil dá mais lucro, existem milhões de bolsa alguma coisa...
Como no dia que fui reclamar com um gerente em uma loja de departamentos sobre um mau serviço, ele ligou para várias pessoas, sempre se eximindo de sua responsabilidade sendo que o correto seria usar sua autoridade do cargo e fazer a ordem ser cumprida, lembrem-se a culpa não é dele, mas de sua cultura.
Se todos nós começarmos a assumir nossas responsabilidades e cobrarmos que os outros a nosso redor cumpram as suas, certamente muita coisa melhorará, embora não cobramos os outros por medo de ficar mal na fita, da mesma maneira quando somos cobrados ficamos de mal com a pessoa.

Se não melhorar a culpa não é minha, é da cultura do país.

Decepções.

A decepção é um sentimento inútil. Quem se decepciona muito provavelmente criou expectativas exageradas.
Nos decepcionamos com promessas não concretizadas, e as vezes a promessa nem foi feita, foi imaginada pela nossa mente.
Neste ponto, os realistas (ou pessimistas, se preferirem) são mais pé no chão e avaliam melhor as estatísticas antes de crer em uma promessa ou iniciar um projeto.

Inspirado no vídeo Poeira que Canta.

A ilusão que o ser humano tem de ser algo separado do resto é o que causa a infelicidade.
Os religiosos dizem que a ciência afasta o homem de Deus por temerem que a ciência faça evaporar todas as suas fantasias.
A ciência tenta, em primeira instância, apenas entender o universo.
O universo é feito de pó, apenas pó, por isto a afirmação "Do pó viemos, ao pó voltaremos" é tão verdadeira, apenas pó, nada mais.
A vaidade humana nos faz pensar que fomos criados a imagem e semelhança de Deus, o que é uma besteira pois tudo é uma coisa só: Eu, você a formiga, a pedra, as folhas e o espaço entre os átomos.
Tentar ser algo a parte é admitir a maior ignorância perante o universo.
Enquanto o ser humano não entender que tudo é uma coisa só, viveremos aqui o inferno. Enquanto as pessoas acharem que irão para o céu por seguirem algo, viverão aqui o inferno.

Inspirado no vídeo Poeira que Canta.

Penso, logo existo?

Ao olharmos para uma caneta, não a vemos de fato, estamos olhando para uma quantidade de energia presa em uma combinação de átomos. Ao nomearmos esta energia com o significado que lhe atribuímos, estamos tentando dar sentido ao mundo que nos cerca.
O que é existir? Se tudo o que vemos não passa de significações que damos para as coisas, podemos afirmar que de fato existimos?
Se tudo não passa de energia condensada serei eu uma ilusão criada um pouco por mim e um pouco pelo mundo exterior?
Ou será que exista uma verdade absoluta que vai muito além da nossa capacidade de interpretar gostando nós disso ou não?
No final, nada existe realmente, o que há é apenas os significados que insistimos em dar às coisas.
Talvez esta combinação que aqui se encontra só tenha esta oportunidade milagrosa de existir, talvez. É prudente considerar que existem possibilidades.
Se aceitarmos a ideia de que somos nada, teremos a possibilidade de sermos eternos, penso.

Metamorfose.

"Conforme vou entendendo coisas que antes não entendia, me desentendo das coisas que antes entendia".