terça-feira, 24 de abril de 2012

Dê algo em troca!

Em um vídeo motivacional que está no Youtube, Arnold Schwarzenegger cita seis segredos para o sucesso, porém um em especial chamou minha atenção, pois nele dá pra notar o tamanho não de uma pessoa, mas de uma nação.


O segredo número seis: Give something back! Ou, dê algo de volta, seja ao seu bairro, sua cidade, seu estado ou seu país. Ele ainda fala que não importa qual rumo tomarmos nesta vida, devemos sempre dar algo em troca.
Não que o brasileiro não seja solidário, mas a mentalidade vigente por aqui é a do egoísmo, todo mundo quer tudo para si. São raras as pessoas que estão dispostas a compartilhar conhecimento, bens, oportunidades, seja lá o que for. A impressão é que se eu ajudar o meu próximo compartilhando coisas com ele, corro o risco de perder o meu lugar ao sol, é a famosa frase: Criar cobra para te picar, como se todas as pessoas fossem traiçoeiras, estamos em um círculo vicioso, quem está em cima não quer perder, quem está embaixo está louco para surrupiar o lugar de quem está melhor.


Em várias áreas acontece o mesmo, são raros os que devolvem algo ao seu país, não estou falando apenas de um artista ou jogador de futebol que doa algo ao criança esperança, claro, ao vivo para milhares de pessoas verem o quanto fulano é bonzinho, as pessoas comuns também deveriam devolver. Um jogador de futebol famosíssimo doou cem mil reais ao criança esperança, para ele, dinheiro de pinga! E o pior o cara foi lá ao vivo dizer: -Olha gente, estou doando, sou uma pessoa boa!


Os milionários do Brasil não devolvem praticamente nada ao povo, um Americano ou Suíço pensam diferente: Eles pensam, se o dinheiro que ganhei é do povo, o povo tem que ter algo em troca, alguém se lembra aí do que Bill Gates fez? Em uma reunião dos grandes milionários americanos ficou decidido que todos doariam METADE de sua fortuna para causas humanitárias! Não importa o que pensem do Bill Gates como homem de negócios, ele não é santo, mas mesmo assim devolve e muito para a humanidade. O que aconteceria se propormos algo semelhante aos milionários brasileiros? E aos políticos então? Naquele programa das mulheres ricas, uma das que participaram teve a coragem de dizer que o rico ajuda a sociedade quando consome, pois eles geram empregos, que comentário egoísta e hediondo.


Aqui é assim, quem tem o poder quer que se exploda seu país, se um cara rouba seiscentos milhões, depois mais seiscentos em obras super-faturadas, será que ele está interessado em dar algo em troca?
E nós cidadãos comuns? Já ouvi muita gente dizer que se estivesse no lugar do político faria o mesmo... Triste mentalidade do Brasileiro.


Agora, comparem o tamanho, não o tamanho geográfico e sim o tamanho da Nação dos Estados Unidos ou da Suíça com o Brasil, nosso país é ridículo, minúsculo, nada funciona, aqui a maioria das pessoas só tem orgulho de ser brasileiro no carnaval e na copa, ridículo!


Os americanos, canadenses, europeus em geral tem arraigado em sua cultura a idéia do voluntariado, a idéia de devolver, ninguém aqui está falando que eles são pessoas melhores, são apenas mais patriotas e gratos por morarem em um país decente com uma cultura decente, coisa que nós brasileiros ainda estamos longe, muito longe!


Não precisamos ser ricos para dar algo em troca, só precisamos fazer o que está ao nosso alcance de cidadão.


"Enquanto a mentalidade egoísta vigorar no Brasil, viveremos como se estivéssemos na idade média".


Ah sim, para quem quiser assistir ao vídeo!




Abraços.

sexta-feira, 20 de abril de 2012

O trabalho para estar em uma banda.

Estar em uma banda exige uma série de conhecimentos, responsabilidades e tipos de trabalho, e se for uma banda que trabalha músicas próprias, o trabalho triplica, isto na melhor das hipóteses.


Embora não seja uma matemática exata, existem proporções de trabalho para cada peça (instrumentista), do grupo, eis uma proposta.


Acredito que 75% do trabalho é solitário, é quando ficamos horas e horas no nosso quarto, praticando, escrevendo, lendo, assistindo vídeos.
Um músico só estará realmente apto a participar de uma banda de verdade se estiver disposto a encarar a jornada solitária  de trabalho que um instrumento exige, aliás, isto também vale para os vocalistas: -Vocal também é um instrumento e TEM que ser trabalhado (Ainda estou devendo um post sobre os vocais, conforme dito no post Gravando um Álbum pt 2).
Quando o músico faz sua parte em casa, tudo fica mais fácil na hora em que a banda se reunir para ensaiar, o que leva a outra parte do trabalho.


24% do trabalho é feito em conjunto nos ensaios, é quando todo mundo irá juntar o que foi feito anteriormente. Não adianta tentar aprender aquele trecho no ensaio, não vai funcionar! Não adianta achar que na "hora H" você se vira, isto não acontece e o que é pior, demonstra a falta de respeito com o trabalho e com o restante da sua equipe. Ensaio serve para "ENTROSAMENTO MUSICAL", serve para combinar detalhes a serem inseridos em uma música, combinar paradas, abertura e finalização de shows, dentre outras coisas. Não existe coisa mais chata do que esperar alguém treinar um trecho que ainda não conseguiu dominar. Obviamente que as vezes podemos cometer falhas no processo anterior, mas estas quando detectadas, deverão ser retrabalhadas no próximo ensaio, quer dizer, o músico SEMPRE tem que resolver o problema técnico pessoal na sua casa, os companheiros de banda podem identificar o problema, apontar a solução possível, mas o trabalho é solitário!


Agora falta o 1%, é só isso mesmo? Em cima do palco só tem 1% de trabalho? Errado! Em cima do palco só tem diversão, este 1% de trabalho é referente ao deslocamento, montagem de equipamento (se for banda famosa, os técnicos é que fazem isto), passagem de som.


As grandes bandas têm tudo sob controle quando estão no palco, todos estão preparados e SABEM o que tem de fazer, mesmo que ocorra problemas técnicos, cada um sabe o que tem de fazer. Quando isto acontece, a banda ganha uma energia e segurança que contagia a platéia, tudo soa bem encaixado e o som que a banda produz é poderoso. Muitos "Músicos" querem o lado bom de estar em cima de um palco, mas não querem ter o trabalho solitário, muitos até topam ensaiar bastante, mas não querem ter o trabalho solitário, este músico com certeza é o ponto fraco da banda.
Não adianta achar que depois de 100 shows você ficará bom, a mágica não existe! O que acontece é que se todo mundo fez a lição de casa, depois a banda ensaiou exaustivamente, aí sim, 100 shows farão toda a diferença porque o potencial foi trabalhado antes, os shows apenas dão polimento ao que foi trabalhado.
Ninguém aprende a tocar em cima do palco, assim como nenhum jogador aprende a converter o pênalti, se só o fizer na decisão do campeonato, se o cara não treinou sozinho... já era!


Quando assistirem seus ídolos tocando muito, perfeitos, entrosados, confiantes, tenham certeza de que naquele momento eles estão apenas colhendo os frutos de um longo trabalho.


"Quem realmente gosta do que faz não se importa em trabalhar solitariamente no seu quarto, quem quer apenas estar em cima de um palco, quer no máximo aparecer!"


Abraços

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Temos só 50% de chances.

Por que as pessoas insistem em entrar em projetos, sejam eles, casamento, negócio local, faculdade, ou qualquer outra coisa, quando no fundo elas sabem que vai dar errado?
Muitas vezes estamos em uma relação que sabemos que não funciona bem, mas mesmo assim ficamos insistindo para a outra pessoa mudar, ficamos tentando mudar nossa forma de pensar, tudo para "ajeitar" a situação, porém, indiferente aos nossos esforços, as coisas não mudam. Por que insistimos então?

Antes de dar minha opinião, vamos falar um pouco como funciona nosso cérebro.

Nosso cérebro tem uma dificuldade imensa para lidar com o desconhecido, a partir do momento que o ser humano começou a raciocinar, o futuro passou a ser assustador para a nossa espécie, desde então, tudo aquilo que é desconhecido passou a ser odiado. Basta olhar os exemplos na história da humanidade para ver que toda vez que alguém veio com uma proposta nova para a época, foi enforcado, hostilizado, isolado, etc.
Logo, nosso cérebro prefere a certeza, queremos estar seguros 100%, querem um outro exemplo?

"Na via láctea existem, segundo alguns cientistas, 200 bilhões de sistemas solares, e ainda estimam-se que existam 2.500 bilhões de galáxias no universo inteiro, se cada galáxia tem em média 200 bilhões de sistemas solares, imaginem a quantidade de sistemas solares que existem!
Este raciocínio nos leva a supor que se existimos dadas todas as condições para que a vida exista neste planeta, é 99% certo que em algum outro lugar, a vida existe também!"

Isto é o que chamamos de certeza estatística,

Porém, isto não nos satisfaz, continuamos a duvidar que possa existir vida em outro lugar, precisamos conferir e encontrar a vida em outro lugar para finalmente termos 100% de certeza, só aí passaremos a acreditar na vida em outros planetas.

Voltando para nossa pergunta inicial:
Por que as pessoas insistem em entrar em projetos, sejam eles, casamento, negócio local, faculdade, ou qualquer outra coisa, quando no fundo elas sabem que vai dar errado?

A resposta parece simples agora: Fazemos o que temos CERTEZA que vai dar errado, pois assim estamos trabalhando com 100% de previsão do resultado.
Casar com uma pessoa que com CERTEZA não seremos felizes, fazer uma faculdade que com CERTEZA ganharemos dinheiro e certamente seremos infelizes, porém seguros, aceitar crenças dogmáticas que nos dão a certeza de irmos para o céu ou o inferno, e por aí vai.

Olhem o outro lado:

Se fizermos tudo certinho, trabalharmos duro, sermos honestos conosco, só nos relacionarmos com pessoas que estão ao encontro com nossos objetivos e gosto pessoais, teremos apenas 50% de chance de a coisa dar certo.

Um exemplo pessoal:

Se eu estudar guitarra todos os dias observando todos os aspectos que são necessários para ser considerado um bom músico, se me dedicar e tentar fazer tudo bem e por conta disto muitas vezes abrir mão de baladas, passeios e outras coisas em prol deste projeto, se eu me mudar para um centro maior, falar inglês, ter outros conhecimentos técnicos e tudo o mais, quais serão minhas chances reais? Simples, são 50% de chance de dar certo e 50% de chance de dar errado.
Agora se eu estudar só um pouco, se ficar mais sonhando do que trabalhando, se preferir dormir ou passear ao invés de trabalhar, terei 100% de certeza que a coisa não vai funcionar, a vantagem neste caso é não ter trabalho, a desvantagem é a frustração que carregarei por toda a minha vida.

A mesma coisa vale para Deus, até então existe 50% de evidências que ele existe ou não, ninguém conseguiu provar nada até agora, mas que diferença isto faz? Se existir beleza, se não existir beleza também, afinal querendo eu ou não, as coisas serão como têm que ser, e eu nada posso fazer para mudar isto!

"O paradoxo é que viver com o medo e a incerteza dos 50% pode nos tornar mais livres e confiantes do que tentar o tempo todo estar com 100% da certeza."

Abraços.


segunda-feira, 2 de abril de 2012

Eita vaidade!

Um assunto complementar ao post "QUERO ESTAR ERRADO".


O ser humano é muito vaidoso, acredita ser o centro do universo, em uma conversa sobre crenças religiosas ouvi a famosa frase: "Deus fez o homem sua imagem e semelhança!"


Não quero entrar no mérito de saber se esta sentença é verdadeira ou falsa, mas sim tomá-la como ponto de partida para entender o quanto o ser humano é vaidoso.
Eu particularmente nunca vi esta frase ser contestada por outro ser vivo, nunca nenhum cachorro, jacaré ou tubarão vieram contestar isto. Acho que neste caso vale a outra máxima, quem cala consente!
Será mesmo que o ser humano é a imagem e semelhança de Deus? Penso que o mais apropriado seria pensar que tudo o que existe é a imagem e semelhança Dele, todos os seres deste universo têm igual, exatamente igual importância. 
-Ah, mas dizem que Deus fez os animais para que possamos usufruir deles, já ouvi esta também. Será mesmo? Uma coisa é fato: O ser humano está no topo da cadeia alimentar, por méritos próprios, diga-se de passagem, mas isto não o torna o mais especial dos seres, afinal estamos por aqui como homo sapiens a no máximo 150.000 anos, os dinossauros reinaram pelo planeta no topo da cadeia por pelo menos 160 milhões de anos. Com a inteligência diferenciada o ser humano se tornou um animal dominante, no topo da cadeia, nada mais.
Obviamente que aceitar este pensando seria um golpe mortal na vaidade que tão orgulhosamente ostentamos.


Fico imaginando o que aconteceria se um dia os extraterrestres (como tanto sonham os diretores de Hollywood) invadirem a terra com o discurso de que eles sim é que são feitos a imagem e semelhança de Deus e que os outros foram feitos para seu usufruto.
O que faríamos? Mostraríamos nossas escrituras para eles e mostraríamos os capítulos que dizem que nós é quem somos especiais? E eles o que fariam? Aceitariam nossos argumentos e iriam embora ou  diriam?
 -Aqui nas nossas escrituras diz que somos a imagem e semelhança de Deus e que os outros seres vivos foram criados para nos servir! Se vocês humanos não concordarem, que se defendam, nós somos mais fortes que vocês, logo estamos certos!
Da mesma forma como fazemos com os animais.



Na esfera pessoal acontece o mesmo, chefes que maltratam seus subalternos, pessoas que se dizem superiores  a seus semelhantes. Cada pessoa tem seu mérito, uns se esforçaram mais que outros para ir mais longe, mas de maneira alguma ninguém é melhor do que ninguém. É sempre assim, as pessoas sempre acabam se sentindo melhores do que as outras, sempre com argumentos estranhos e idiotas, como este que ouvi um dia desses: "Um grupo de estudantes de engenharia civil dizendo que os arquitetos não eram machos o suficiente para fazerem engenharia e nem femininos o suficiente para cursarem moda", e por aí vai, sempre o desejo de se sentir mais especial ou melhor  que o outro.


Vaidade, também chamada de orgulho ou soberba, é o desejo de atrair a admiração de outras pessoas. A vaidade faz com que queiramos criar uma imagem para chamar a atenção dos outros, e esta imagem nem sempre é verdadeira. Interessante como o ser humano criou uma "Imagem perfeita para causar admiraração a si mesmo", uma vez que ainda não pode se exibir para outro ser tão ou mais inteligente que o próprio homo sapiens".




"Toda vez que proferir frases do tipo, eu sou, eu fiz, eu sei... pense no quanto pode estar sendo vaidoso.


Isto vale para todos nós, sem excessão."




Abraços.