quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Qual o papel do Professor?

Existe algo de fundamental importância para a Sociedade que em tempos atuais está totalmente desprestigiada: O PROFESSOR.

"A palavra formou-se a partir do latim profiteri, com o mesmo significado, formada por fateri (confessar), com o prefixo pro- (diante, com o sentido de «diante de todos, à vista»). A partir de certa época, um professor passou a ser aquele que «professava», ou seja, que declarava publicamente que possuía conhecimentos em determinada área do saber e que podia transmiti-los". (Fonte: Etimologia e semântica.)

Importante salientar que neste post a ênfase é para aulas particulares ou cursos livres.
Mas seria apenas este o papel do professor, simplesmente repassar conhecimento?

Quando iniciei meus estudos na música não existia internet e toda a informação que estava disponível era em papel - revistas, livros ou cadernos de amigos - então professores que continham mais informações para repassar eram considerados os melhores e isto vale para todas as áreas.
Com o passar do tempo surgiram as vídeo-aulas em VHS daí as informações começaram a ficar mais acessíveis. Lembro-me até hoje da sensação de assistir a uma vídeo-aula do Yngwie Malmesteen e concluir que agora sim seria possível tocar como ele, coisa que rapidamente percebi como impossível.
Graças ao fato de a informação ser escassa criou-se uma errada percepção de que para ser professor bastava ter muitos conhecimentos arquivados em uma estante.
O tempo passou e a informação está aí para quem quiser, basta digitar no Google: Como fazer um solo de rock? E pronto, centenas de páginas aparecerão ensinando todo tipo de técnicas, enfim, nunca a Humanidade teve disponível tanta informação gratuíta.
Por que seria importante um professor nos dias de hoje?

Existem duas coisas distintas: Conhecimento e Experiência.

Várias vezes tentei voltar a fazer aulas de guitarra e em todas as vezes o que ocorreu foi um professor cheio de apostilas tentando me ensinar exercícios de técnica ou de harmonia ou de velocidade... Se eu realmente quisesse estas coisas eu entraria no Youtube e treinaria 8 horas por dia e faria isto sem gastar um tostão. Depois destas experiências frustadas tentei entender o que eu realmente procurava em um professor haja visto que eu também trabalho como professor, cheguei à conclusão de que eu gostaria de fazer aulas com alguém experiente que pudesse me orientar nas angústias da profissão.
Quero dizer com isto que ter muito conhecimento, principalmente nos dias atuais, não torna ninguém um professor. Muitos guitarristas começam a dar aulas apenas exibindo um diploma em alguma escola renomada. Até aí nada de mais, mas e a experiência que o professor deve ter? Isso conta mais do que a carga teórica adquirida na maioria das vezes.

-Qual o papel do professor então? (Embora haja muitas particularidades, cito algumas que acredito, são importantes)

O professor deve antes de qualquer coisa, preparar o aluno para que ele se torne totalmente independente e que saiba usar os conhecimentos adquiridos para resolver problemas cotidianos que não estarão em apostilas. Professores particulares que deixam o aluno dependente da aula só para terem um cliente por mais tempo são maus professores.

O professor deve sim repassar o conhecimento teórico mas deve embasá-lo com experiência prática caso contrário a teoria se torna lixo intelectual.

O professor deve compreender a necessidade do aluno e adaptá-la à sua realidade, quer dizer, ensinar dentro da expectativa do aluno porém  deve trabalhar as deficências, (no meu caso dou aulas de guitarra e ensino o estilo musical que o aluno gosta mas,sou eu quem deve perceber quais níveis o aluno se enquadra além de mostrar assuntos que o aluno jamais imaginou que existissem antes de iniciar o aprendizado musical)
Ainda na compreensão da necessidade do aluno, existem professores que pregam que um determinado estilo musical é lixo e que o aluno deveria aprender música de verdade, um exemplo disto é o aluno que quer aprender rock e o professor fala que jazz é que é música, é necessário respeitar o gosto do aluno.

-Muitas vezes perguntei aos alunos o que eles queriam aprender até que um dia um dos alunos me disse que eu é quem era o professor! Enfim, com isto aprendi que o professor deve conduzir o aluno, sempre!

O professor deve compreender a dificuldade dos iniciantes para entender coisas simples, afinal só é simples aquilo que já dominamos. Quantos professores se irritam com os alunos e ainda dizem: -Poxa, isto é fácil!
Lógico, depois de 20 anos ensinando a mesma coisa fica fácil.

Quando alguém quer iniciar-se em alguma coisa o primeiro contato deve ser inspirador. Parto sempre do princípio que ninguém sabe exatamente o quanto pode gostar do instrumento e nem o quanto se dedicará ou se ainda resolverá fazer disto uma profissão, mas se o professor traumatizar o iniciante com dogmas e teorias absurdas, o professor pode estragar uma carreira que talvez pudesse ser brilhante.

Enfim, o professor deve mostrar ao aluno quais os caminhos existentes e quais os desafios que cada caminho implica além de ser um grande incentivador, cabe ao professor mostrar ao aluno o quanto ele pode ser capaz.

"O bom professor explica, o professor superior demonstra, mas o grande professor inspira!"

Abraços!

2 comentários:

  1. Fala Du ... beleza?

    Eu estou dando aula também.

    Acredito que o bom professor é aquele que sente quais são as dificuldades do aluno. Por exemplo: depois de algumas aulas, notei que o desenvolvimento da aluna era menos do que eu esperava e menos do que ela esperava. Saquei que ela não estava estudando direito. Expliquei que na vida temos hábitos. Saudáveis ou não. Então tentei montar uma rotina tranquila de estudos pra ela. Criei o hábito de estudo. Ela inicialmente me disse que podia estudar 4 horas por dia, então montei uma de meia hora (a grande vontade de tocar atrapalha também), pois no nível inicial que ela se encontra, 4 horas de estudo acaba frustrando. Com essa rotina de meia hora, já na outra semana aconteceu uma boa evolução. Comecei a perceber qual era o gosto musical dela e passei a trabalhar um rerpertório que despertasse o interesse dela. Pronto ... achamos o caminho. Começou a evolução denovo ...

    Antes da teoria, existe a necessidade de despertar o gosto pelo ato de tocar. Gosto pelo som, pela música. Sem gosto não se faz nada ...

    O bom professor, ao meu ver, busca um equilibrio entre ensinar o aluno e dar a ele prazerem tocar. O ensino é um processo complicado. O prazer é o combustível do duro processo de ensino. O bom professor consegue lembrar dos momentos em que ele mesmo começou a tocar. Quais eram suas dificuldades? Provavelmente o aluno tem as mesmas dificuldades que ele tinha no início.

    Bom, o bom professor ama a música. Não ama rock, nem jazz, nem mpb nem nada. A a música e se especializa em algum instrumento e estilo. E quem ama a música, no mínimo tenta fazer com que outros tambem amem. O resto é picarata e virtuosos narcisistas.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Bruno blz?

    Cara é isto mesmo, concordo plenamente com você.
    Sobre os exemplos que citei sobre rock ou jazz foi apenas para ilustrar como muitas vezes um professor pode desrespeitar um aluno simplesmente por ignorar o gosto pessoal do mesmo.
    Bom, obrigado por ler e comentar.
    Abraços!

    ResponderExcluir