quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Eu não tenho o DOM.

Acho que esta é a frase mais falada por todos aqueles que tentaram fazer algo na vida e não conseguiram.


Toda vez que ouço esta frase uma questão fica evidente: -O que é dom? Ou melhor, o que as pessoas entendem por dom?


A única conclusão que parece ser plausível é as pessoas imaginando que uma pessoa abençoada com um dom não precisa se esforçar, basta treinar poucos minutos por dia e basta, já se é expert.
Qualquer pessoa que queira fazer algo, por exemplo tocar guitarra, terá de passar pelas dificuldades iniciais de coordenação motora, percepção, técnica e outras coisas. Umas aparentemente aprendem mais facilmente, mas seria apenas uma vantagem inicial, afinal todos terão em algum momento da trajetória, uma dificuldade a ser vencida, dificuldade é dificuldade. 
O que realmente acontece é que a maioria esmagadora das pessoas querem que as coisas venham fácil, mas acreditem, milagres não existem. Basta investigar a vida de qualquer pessoa que está no auge e permanece nele, todos sem excessão, trabalharam e ainda trabalham muito para atingir a execelência no que fazem, é preciso horas, dias, meses anos de treino com método e disciplina, todos os grandes são muito mais do que aparentam ser pois para atingir o mais alto degrau é necessário dominar muitos aspectos da vida.
Eu diria que Dom talvez seja uma facilidade na saída, mais nada. Talvez o maior dom seja a paciência e perseverança para superar principalmente a dificuldade intelectual. Muitos iniciam os estudos e simplesmente não entendem absolutamente nada do que estão estudando, isto é desanimador mas com o trabalho sem a expectativa do resultado rápido torna possível superar esta etapa, depois tudo fica muito mais fácil.
Muitos contra-argumentam que algumas pessoas podem ter mais dificuldade do que outras, mas o fato é que alguns pessoas desde muito cedo têm uma vontade diferenciada de aprender, são as crianças que já são obedientes, que estudam direitinho, que fazem as lições de casa, que se empenham em tudo o que fazem, mesmo sendo crianças. Quando estas iniciarem, anos mais tarde, algum aprendizado elas já estarão mais aptas simplesmente porque seus cérebros já estão com mais caminhos internos abertos, estas, dirão alguns, têm o DOM!
Nestes meus anos de professor de guitarra notei que os alunos que aprendiam com mais facilidade eram os mesmos que desistiam ao enfrentar os obstáculos que apareciam mais a frente, notei também que na verdade poucos são os que enfrentam os obstáculos, isto sim é um Dom.


"A famosa corrida do coelho contra a tartaruga. 
Eles correrão 1000 km, o coelho na saída deixa a tartaruga comendo poeira, mas depois de percorridos os 100 km iniciais, o esforço para correr mais cem metros será exatamente o mesmo que a tartaruga enfrentará quando andar os mesmos 100 km, a diferença será o tempo que cada um atingirá esta marca".


Projetando isto para a vida: Se eu levar vinte anos para aprender a tocar guitarra e uma outra pessoa levar apenas cinco anos, e ambos vivermos oitenta anos. Quando estivermos com sessenta anos, que diferença realmente fez o tempo que levei para aprender? O importante foi o esforço e a satisfação de ter chegado, mesmo que um pouco atrasado.


"Toda vez que forem desistir de algo e usarem a falta do Dom para justificar, pensem que talvez estejam sendo preguiçosos..."


Abraços.

10 comentários:

  1. Du, mais uma vez ótima postagem!

    Deus nos concede, a cada dia, uma página de vida nova no livro do tempo. Aquilo que colocarmos nela, corre por nossa conta.
    Por mais longa que seja a caminhada o mais importante é dar o primeiro passo.

    ResponderExcluir
  2. Achei fantástico o que escreveu! Na verdade sobram desculpas (ou "justificativas") para o fracasso - desde os mais simples quanto os que mudam de fato o curso de nossas vidas. Lembrando o que escreveu sobre a felicidade em um post anterior, também acredito que as pessoas se empenham menos em exercícios cujos resultados apareceram só a longo prazo, se perdendo em tudo que dá menos trabalho. Mais que conquistas fáceis, a preocupação também está no "vamos ver a coisa acontecer LOGO". Minha lição de seu texto será pensar sobre o exemplo que dá de crianças que têm vontade 'diferenciada' de aprender, e que o aprendizado seja sempre nossa vontade! Vi uma frase no mural do Paulinho (Brás) ja faz um tempo, e guardei-a como lema: "quanto mais eu aprendo, menos eu julgo". Abração Du. Cris Cinat

    ResponderExcluir
  3. Respeitando o mérito do Paulinho, a frase correta era: "quanto mais eu CONHEÇO, menos eu julgo". Cris Cinat

    ResponderExcluir
  4. Oi Cris, muito obrigado mais uma vez por ler e comentar.
    Felicidades!

    ResponderExcluir
  5. muito booom, verdade tdooo, eh o que eu tento dizer aos meus alunos, mais muitos deles(senão todos xD) não entendem ^^

    By.: Marcus

    ResponderExcluir
  6. muito bom Du, adorei o post.
    bjs
    Rosana

    ResponderExcluir
  7. "Somos o que repetidamente fazemos. A excelência, portanto, não é um feito, mas sim um hábito."

    Concordo plenamente com o todo o texto! Muito bom!

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. vlw por ter indicado a ler
    muitas vezes acho que tenho preguiça mesmo rs
    mas quero muito , dedico o maximo que posso
    muitas coisas nao entendo tambem, mas sempre procuro saber
    se eu continuar assim quem sabe posso ficar bom um dia ;)
    quero bastante
    obrigado por tudo, parabens ai

    ResponderExcluir